22.11.18

Ca-Fé

Ta literalmente na boca do povo, e de todo sujeito por ai, que essa bebida forte salva vidas e pessoas sonolentas nos seus horários de trabalho. Café. Já ouvi dizer até que certos sujeitos não conseguem nem ao menos cumprir suas obrigações diárias ou simplesmente viver sem ele. “É um estimulante diário”. “Parece que você recebe uma bomba de energia”. “Preciso tomar pelo menos uma xícara toda manhã pra conseguir acordar”. E há até mesmo quem ousa se justificar com ele “Desculpa estar pilhada assim a culpa é do café preto”. Ô sujeitinho metido a milagroso esse tal de café hein?! Da próxima vez que eu precisar de uma solução para algum problema meu vou chamá-la assim. Mas acontece que essa vez já chegou porque eu já tenho um problema. E pra esse problema o café não pode ser a solução. Porque o café é o problema. Com leite ou sem. Com açúcar e até com adoçante. Nunca me desceu. Lembro exatamente do momento em que a vida me separou pra sempre da bebida mágica. Devia ter lá meus 6 ou 7 anos de idade. Sala de espera de um consultório médico. Tédio. E ao ter que lidar com o tédio o ser humano inventa as ideias mais desnecessárias. Minha mãe avistou a cafeteira parada ali apenas esperando por um consumidor do seu conteúdo. “Acho que já ta na hora de você experimentar um pouquinho de café né filha!”. Ok. Por que ela disse isso? E...por que não? Se minha própria mãe falou desse jeito então eu devo estar me tornando adulta o suficiente para experimentar essa bebida de adulto. Me animei. O êxtase do desconhecido percorria cada centímetro do meu corpo. E agora eu realmente queria beber aquilo. Minha mãe serviu em um copinho que era tão pequeno quanto eu. Colocou açúcar para amenizar. “Hum açúcar é bom então isso deve ser gostoso” pensei. Copo na boca. Líquido na língua. Papilas gustativas. Líquido no chão. Nunca entendi por que essa cena ficou tão marcada em minha mente. Mas naquele momento eu literalmente transformei a sala de espera branca do consultório em um chão molhado de líquido preto ruim. Fui ludibriada. Aquilo realmente não tinha nada a ver com açúcar ou com ser adulta. Ou quem sabe indiretamente tivesse. Talvez eu ainda não tivesse maturidade o suficiente na época pra entender que nem tudo precisa ser doce pra ser bom. A vida real, por si só, é amarga. Trabalhar, por exemplo, não é prazeroso, mas traz prazer por te dignificar. Talvez o café tenha esse mesmo propósito. Talvez ele seja amargo justamente pra nos anestesiar da realidade e obrigações muitas vezes ainda mais amargas do nosso cotidiano. Mas isso são apenas suposições. Até porque depois desse trágico episódio da sala de espera eu infelizmente nunca mais consegui me acostumar com o amargo. E esse é justamente o problema. Eu queria, e de certa forma deveria, conseguir gostar. Todo mundo precisa de estímulos pra continuar vivendo. Alguns precisam de amor. Alguns precisam de religião. E outros, os sortudos, simplesmente de Ca-fé. E eu permaneço aqui. Com muita fé e pouco paladar. Afinal café deve se beber quente e o meu combustível sempre foi água gelada.

15.8.18

De Mim Pra Yasmim

tu sempre teve essa mania de escrever poemas pra terceiros
sendo que a vida permeia a primeira pessoa do singular
e teu singular é quase um plural
pluralmente bonito demais pra não ser descrito
porque tu é completa
completamente única
em todo canto por ai vão dizer que o amor tem que vir de dentro pra fora
e eu não só concordo
como reforço a importância de praticar tal dádiva
mas por que as vezes é tão mais difícil te amar
do que amar o modelo de olhos claros e barba bem feita que subitamente me apaixono enquanto folheio a revista?
tu mesma sempre soube que o segredo tá no ponto de vista
eu amo observar cada detalhe teu
um bocadinho de yas
e um bocadinho de mim
mesmo sabendo que você sempre teve essa mania inata de contemplar outrem
e fazer o bem sem olhar a quem
enxergar o melhor das pessoas sempre foi o teu forte
mas ah se tu soubesse como tens um bocado de sorte
em ser Você
(com V maiúsculo porque tu é de si própria)
não passarias tanto tempo à mercê de sentimentos rarefeitos
és única e és minha em mim
tu me tira do eixo
cada pedacinho em ti me encanta
conheço teus medos
teus anseios
tua pureza
teus devaneios
tua beleza
(interna e externa)
e posso dizer que tudo que vem de ti é amor
é poesia
é calma
é com a alma
você não precisa do mundo aos teus pés
porque seus pés já tocam o mundo
e você me toca
tu me transforma
tu me torna melhor a cada dia
e isso aqui não é nem de longe uma falta de modéstia
você é a pessoa com quem eu mais convivo
e a que mais me ensina como é se sentir vivo
a vida é feita de compartilhar
momentos
e colecionar amores
e esse é o teu
e você é o meu


9.7.18

Desabafo De Meias Verdades

aceitar que não se pode abraçar o mundo é uma forma de abraça-lo
há um milhão de almas vagando pelas ruas
há um milhão de cores e odores espreitando sensações e amores
onde você está agora
o que você está fazendo agora
é tudo que você precisa ter
o mundo inteiro não quer ser abraçado
ele quer ter cada pedaço da sua macrosfera contemplado
ele quer ser testemunha de momentos reais
e melhor ainda, pessoas reais
quando você abraça o mundo você não sente o mundo
tudo é questão de intensidade
muitas vezes por ego ou pela imagem
deixamos de ser genuínos
deixamos a noite e os dias esvaírem nossos reais anseios
em busca de motivos que não são verdadeiros
o ser humano tem essa curiosa mania de querer tapar buracos com o vento
viver é contratempo
lutamos com o tempo e ele nem é nosso inimigo
cultive bons amigos mais do que busque fazer novos
isso não é uma receita porque a vida é que ensina
transfigure os problemas antes que eles virem sina
abrace você mesmo de cabeça erguida enquanto vira cada esquina da sua rotina
eu falo do aqui e do agora e não da projeção de verdades
acabei de vomitar e o motivo incrivelmente não foi álcool barato
verdades cruéis  não podem permanecer tempo demais dentro da gente
tudo que fica parado por muito tempo esfria e eu sempre preferi o verão
nunca vou conseguir dizer tudo que eu gostaria
assim como nunca vou conseguir entender a funcionalidade real da existência
e tudo bem
tudo bem nem sempre estar no comando de si mesmo e de tudo a sua volta
tudo bem falar uma verdade que não necessariamente rime com a frase anterior
tudo bem nem sempre se sentir vinculado a algo concreto
e tudo bem nem sempre conseguir ser racional e direto
a vida é cheia dessas meias verdades
peço perdão pelo desabafo
mas ninguém é de aço
e tudo bem